Se eu fosse você, assistiria a esses filmes

Cês me desculpam de não ter tido post nessa sexta? Vou explicar pra vocês: quinta à noite vim pra Mogi, direto do trabalho, porque ontem (sexta) eu tinha uma agenda beeeem cheia de médicos.

Nada sério, só uma mãe que é formada na Escola das Visitas Regulares ao Médico para Consultas de Rotina, e eu acho ótimo, porque assim tenho certeza que tô sempre saudável. Além disso, tenho hipotireoidismo (não sei se já contei pra vocês), e precisava refazer meus exames de sangue porque acho que tô tomando uma dosagem errada do remédio.

Se eu fosse você, assistiria a esses filmes

Enfim, saca só meu dia de ontem: acordei às 6h, fui pro meu primeiro exame, em seguida fiz o exame de sangue, fui tomar café com a minha mãe depois de quase 14hs de jejum, fiz depilação, voltei à pé pra casa, almocei muito rapidinho, fui no Ortopedista (meu joelho esquerdo tá meio uó, por isso não posso correr!), comprei um tênis, fui na Oftalmologista, voltei pra casa, dei uma entrevista pra minha prima que está na escola e precisava entrevistar alguém e nisso já eram 18h30 e eu precisava voltar pra São Paulo, porque tinha karaokê com os migos.

E nesse horário eu já devia estar num ônibus, ainda mais em véspera de fim de semana de feriado. Fui pra rodoviária, só tinha ônibus às 19h30, que atrasou e saiu da rodoviária às 19h50. Só fui chegar em São Paulo às 22h20 (o karaokê era às 21h!), David me encontrou na Marginal (!!!) pra eu não ter que esperar o ônibus fazer todo o rolê até a rodoviária e chegamos na Liberdade quase 23h, mas foi delícia <3 Encontrei Taia, Dani, Paulo, Helô, Raoni, Flavinha, Ricardo, Fê (irmã da Flavinha) e mais um monte de gente linda que eu ainda não conhecia. Cantei muito até fechar, e de lá os fortes (aka: quem tava com muita fome!) fomos pra Bráz comer pizza de madrugada.

Só fui dormir às 3 da manhã e acordei às 08h30 pra voltar pra Mogi. E uma vez de volta, passei o dia com a família do meu namorado, porque fazia, literalmente, meses que não ficava com eles. E fim da minha saga. Agora estou sentadinha na minha cama esperando minha mãe pra ver um filme comigo, enquanto comemos bolo 🙂

Por isso pensei em deixar aqui três indicações de filmes que vi há pouco tempo e que acho que todo mundo deveria ver também. Dá até pra ver no feriado, vai!

Pitch Perfect (A Escolha Perfeita)

O primeiro, não o segundo! Não que o segundo seja ruim, não é. Mas o primeiro é o melhor de todos, inclusive a trilha sonora. Assisti a primeira vez há um tempão, com meus amigos, e na época fiquei super relutante, não queria vez de jeito nenhum. Mas fui vencida pela maioria e paguei a língua. Adorei! E esses dias assistimos de novo em casa, eu, Simon e Hugo, antes de vermos a sequência. E relembrei porque gostei: qualquer filme cujas personagens principais sejam meninas e que o assunto principal não seja conquistar um cara já ganha pontos comigo.

Se esse filme fala sobre mulheres se ajudando, ganha mais ainda. Se esse filme, então, reforça o quanto diversidade é uma coisa boa, e pessoas de padrões (de beleza, de comportamento, de tudo) díspares, quando colocadas juntas, fazem coisas maravilhosas acontecerem, nossa, ganha mil pontos extras. E esse filme foi assim pra mim. Mencionei que é super #girlpower? Ah, tudo isso com boas doses de comédia, Anna Kendrick cantando bem maravilhosa e Rebel Wilson sendo hilária em absolutamente todos os momentos em que aparece. Esqueci o principal: é um musical (mas não do tipo que as pessoas falam cantando. Mas tem bastante música).

Like Crazy (Loucamente Apaixonados)

Esse eu também já tinha visto, há um tempão, e na segunda vez assisti com o Simon, num dia em que o Hugo estava viajando. E é lindo. E triste. E dói muito. E é muito real. É uma história de amor, e como qualquer história de amor de verdade, não é um conto de fadas. E não acontece tudo da maneira que planejamos ou sonhamos. A vida também acontece, e pode atrapalhar tudo. Não é um filme felizinho o tempo todo, e eu gosto disso, também.

Porque a gente tá tão acostumada a ver filme com casais felizinhos o tempo todo, que quando nossa vida ao lado de alguém não é assim, a gente se pergunta se tem algo de errado com a gente. E não tem. Outro ponto positivo do filme: Felicity Jones, novinha de tudo, com uma ótima atuação e figurino incrível. Ah, e a fotografia é de tirar o fôlego! Tem Califórnia e tem Londres. Pronto. Dá o play logo nesse filme!

– Le Petit Prince (O Pequeno Príncipe)

Não foi a minha intenção, mas… Todos os filmes dessa lista eu vi duas vezes, inclusive esse. Eu fiz um texto todinho sobre o que esse filme me fez pensar, e vai entrar essa semana que vem, mas já queria indicar aqui pra vocês verem. O filme não conta a história do Pequeno Príncipe, mas de uma garotinha cuja mãe quer que ela cresça muito rápido. E que ela seja “essencial” pro mundo o quanto antes. E no meio do caminho dessa menininha aparece um senhor bem velhinho, mas com o coração de criança, que a apresenta a história que todos conhecemos: o príncipe loirinho que mora em um planeta muito pequenino e tem uma rosa numa redoma de vidro.

Esse filme me fez chorar nas duas vezes, e me fez pensar tanto na minha própria vida, que acho que vai tocar vocês também 🙂 Ah, e se vocês puderem, assistam à versão legendada. É uma delícia ouvir o francês do filme! <3

Vocês já viram ou querem ver algum desses filmes? Me contem! E me falem que filme eu deveria ver num dia desses aí!

Bisous miiiil, e até amanhã!